DICAS PARA O SEU ARRAIAL
FICAR IRRESISTÍVEL

O Brasil é um país muito grande e com muitas diferenças. Cada região do país tem tradições diferentes para a Festa Junina. As danças e as roupas também são diferentes:

No sudeste:

A “quadrilha” é a dança mais tradicional das festas juninas do sudeste, presente em quermesses e eventos, principalmente em São Paulo e Minas Gerais. A dança tem origem Francesa e veio para cá recebendo grande influência caipira: a moça fica com cabelo dividido em dois (estilo "Maria-Chiquinha") e o rapaz fica com chapéu de palha e bigode. E claro, não pode faltar o sotaque puxando o 'r' e incorporar o verdadeiro caipira que vive no sítio. O vestuário é uma interpretação do estilo sertanejo ou caipira, baseado no hábito de confeccionar roupas femininas com tecido de chita florido e as masculinas com tecidos de algodão listrados e escuros.


No sul do Brasil:

Com o acompanhamento de uma gaita e violão, o Fandango é muito dançado nas regiões Sul do Brasil, principalmente no Rio Grande do Sul. De origem espanhola e portuguesa, ela celebra o sucesso na colheita, festas religiosas e casamentos. O traje pode variar de acordo com a época. A mulher pode vestir o traje de estancieira, com saia e blusa de prenda. Estes trajes devem ser usados em bailes oficiais, fandangos e eventos sociais.


No nordeste brasileiro:

O Nordeste é a região do país onde há o maior número de cidades que se dedicam intensivamente às festas de São João. Os ritmos presentes são o forró, o xaxado e principalmente o baião. O baião surgiu da derivação do fado misturado com características do samba. Para dançar com sucesso, é preciso ter passos firmes e saber improvisar, o que a maioria dos baianos possui. As mulheres costumam se apresentar trajando vestidos de chita comum, adornados com babados nas saias e dotados de generosos decotes e mangas curtas. Elas normalmente calçam sandálias com muitas cores. Enquanto isso os homens usam calças claras de brim, camisas simples e sandálias de couro cru.